彩民彩票平台



Mais criatividade, menos tecnologia

Mais criatividade, menos tecnologia

彩民彩票平台Mariana Achutti, fundadora e CEO da Sputnik Educa??o, uma das maiores escolas corporativas do Brasil, ajudou a formar mais de 10 mil alunos desde 2014, quando criou a empresa. Entre seus clientes est?o Google, Facebook, Globo, Boticário e Ambev. Segundo ela, seu objetivo de vida é ajudar a transformar o mundo em um lugar mais criativo, sensível, subversivo e bom, através da forma??o de profissionais e corpora??es. Para isso, as pessoas precisam limitar a participa??o das novas tecnologias em seus cotidianos. “Na era da tecnologia, o que manda mesmo s?o as soft skills, como inteligência emocional e capacidade de negocia??o”, afirma. “As novas tecnologias est?o deixando a sociedade exausta. Doen?as psicológicas e a síndrome de Burnout est?o crescendo exponencialmente.”

(Nota publicada na edi??o 1156 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A Flórida é logo ali

Comprar casas e apartamentos na Flórida ficou mais fácil nos últimos anos, mas manter esses imóveis n?o se tornou uma tarefa t?o [...]

Do rock’n’roll ao rastreamento

Especialista em inova??o, economia circular e indústria 4.0, o paulistano Leonardo Roriz, de 29 anos, é CEO e fundador da Ciclopack, [...]

Unidos pelo crowdfunding

O brasileiro está apostando mais em investimentos coletivos em startups. Em 2019, foram contabilizados R$ 78,7 milh?es em aportes na [...]

Juros em baixa, otimismo em alta

O executivo Erminio Lucci, CEO da opera??o local da gigante americana BGC Partners, uma das maiores corretoras do mundo com US$ 4,4 [...]

Quinto andar sobe aos bilh?es

A imobiliária digital QuintoAndar gerou uma economia de quase R$ 1 bilh?o aos seus inquilinos e no ano passado alcan?ou R$ 28,9 bilh?es [...]
Ver mais

Copyright ? 2020 - 彩民彩票平台
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.